Cópia de Sem nome (5).png

Blog MecTRIA

  • Kim Sangawa

OKR: uma breve introdução


Fonte: arlenegomes.com

Definir objetivos, persegui-los e obter seus resultados. Parece um caminho direto e fácil. Realidade de todas as empresas do mercado. Porém, as aparências enganam e o que parece simples, muitas vezes pode ser, na verdade, de alta complexidade.


Segundo o Sebrae, um dos principais motivos de falência entre pequenas e médias empresas vem dá má gestão e planejamento. Portanto, as técnicas e metodologias de Gestão de Objetivos vem como ferramenta aliada na hora da elaboração de um planejamento estratégico inteligente.


Baseando-se nisso, pode-se entender o contexto em que essas metodologias surgem e quais são seus impactos e suas importâncias. Um exemplo delas são as OKRs:


Em suma: OKR é um acrônimo para "Objectives and Key Results" ou, no bom português: "Objetivos e resultados chaves". Primeiramente apresentada à Intel Corporation por Andrew Grove, em 1975, a metodologia se baseia em definir como atingir seus objetivos, através de ações mensuráveis, específicas e realistas. Portanto, o uso das OKRs se torna um grande aliado ao planejamento estratégico.



ORIGEM:

Andrew Grove
Andrew Grove, image from wired.com

A priori, chamada como iMBO: "Intel Management By Objectives", Andrew Grove apresentou sua teoria ao mundo. Baseando-se na ideia de Gestão por Objetivos (MBOs), Andrew trouxe à cena do Vale do Silício uma diversidade de conceitos já aplicados, mas de maneira diferente, resgatando ideias e aplicando de uma nova forma. Trabalhar com planos de ações ligadas aos objetivos, a participação do colaborador na hora do estabelecimento das metas (bidirecionalidade) e basear em metas difíceis de serem alcançadas ("stretch goals"), são algumas das características trazidas por Grove.


Nesse contexto, surge um personagem: John Doerr. Doerr trabalhou na Intel no período em que Grove operava seu iMBO, aplicando, como todos os outros funcionários, a teoria de gestão por objetivos. Anos mais tarde, durante a década de 90, John foi o maior responsável pela disseminação das OKRs dentro do Vale do Silício, que foi alcançando mais e mais empresas.


Uma das empresas que se destaca no uso dessa ferramenta: Google. Ainda quando tinham apenas 40 funcionários, já implementaram a metodologia e, hoje, ainda trabalham com ela, mas com 60 mil funcionários a mais. Isso demonstra não só a eficácia, mas, também, a versatilidade das OKRs no meio empresarial.



Aprofundamento teórico:


Para começar a aplicar essa técnica, devemos, primeiro, entender os aspectos pertinentes a ela.


Objectives (Objetivos): essa se refere aos chamados "objetivos macro" da empresa. Por exemplo, o que a empresa pretende alcançar ao final do semestre.


Key-Results (Resultados-chave): diferentemente dos objetivos, os resultados-chave são denominados de "objetivos micro". Esses são os passos para que a empresa possa atingir seu "objetivo macro". A partir dos resultados-chave, pode-se analisar os passos para atingir a meta e criar as estratégias para alcançá-la. Partindo delas, também, pode-se entender o andamento de todo o processo e quão perto (de maneira quantitativa) estão de atingir o objetivo.


Notas importantes: para que a metodologia seja aplicada de acordo com os ideais de Grove, é recomendado o uso de prazos curtos (mensais, bimestrais, trimestrais), para que as OKRs sejam buscadas de maneira mais intensa. É interessante, igualmente, que não se crie bonificações de qualquer tipo, uma vez que a construção dos objetivos é feita também pelo colaborador e, a partir disso, pode acarretar criações de metas menores visando atingir lucro próprio.


Parâmetro Google:


A Google inovou no modo com que se quantifica o progresso dos objetivos, baseando-se num sistema decimal que varia de 0 a 1 e utiliza o 0.7 como o marco de objetivo concluído. A partir disso, surge a pergunta: "Se 0.7 é o objetivo alcançado, o que é o 1?". A empresa abusou da ideia de "Strech Goals" e coloca 1 (o mais perfeito que se pode alcançar) como 125% de conclusão do desafio, estimulando, na verdade, a busca pelo "além" da meta.



Como aplicar:


Para aplicar, primeiramente, devem-se criar os objetivos, seguindo as características descritas (curto prazo, sem bonificação, ousadas e com a participação de todos os envolvidos). Após isso, verifique os passos que devem ser atingidos para alcançar o desejado. Seja bastante cauteloso e detalhado, pois o acompanhamento do processo virá dos KRs (resultados-chave).


Para uma melhor visualização, busque fazer uma tabela que exponha os Objetivos atrelados aos Resultados-Chave. Caso queira utilizar o parâmetro Google de avaliação, também é válido. Utilize os decimais ao lado de cada passo da OKR para avaliar o progresso.



Fonte: coblue.com.br

Acompanhamento e Revisão: talvez a etapa mais importante de toda a metodologia. É extremamente necessário que observe de perto o progresso e revise periodicamente as OKRs. Dessa forma, garante-se que os objetivos continuem sendo realistas e estejam dentro do prazo. Caso a verificação venha com feedback negativo (não está no prazo/não é realista/algo não permite o progresso), devido ao acompanhamento rotineiro, muito provavelmente, o problema será identificado a tempo de obter uma solução plausível.


A partir dessas descrições, já é possível fazer um modelo básico de OKR para seguir. Adquirir a cultura de trabalhar baseada nessa metodologia é uma grande vantagem dentre as empresas que não possuem um planejamento estratégico estruturado.


A caráter de curiosidade, segue uma lista de empresas que usam o modelo de OKR:



Empresas que usam as OKRs


Listamos, abaixo, algumas das principais empresas que fazem sua gestão através das OKRs. É interessante perceber a versatilidade da ferramenta, no que tange à aplicação dela nas práticas da empresa.



1- Google


Como já apresentada, trabalha com a metodologia desde 1999. Usou como pilar para o início da empresa.



2- Amazon



Usa a metodologia para alcançar seus resultados e alinhar todos os seus inúmeros colaboradores. Garante, dessa forma, uma uniformidade no alinhamento quanto a construção e busca de metas.



3- Adobe



A partir da metodologia das OKRs, o departamento de Gestão de Pessoas pode observar metricamente os funcionários que estavam dando mais e menos resultados. Dessa forma, os gestores puderam trabalhar de forma muito mais eficiente.



4- Linkedin


Usando as OKRs, a empresa conseguiu criar um senso de prazo para suas medidas, de forma com que todos os funcionários tenham participação e entendimento dos processos e datas limites.



5- Microsoft

Bill Gates, criador da empresa, sugere aos seus gestores que procuram evoluir no cargo, entenderem a real funcionalidade das OKRs e incentiva o uso da ferramenta na sua gestão.



6- Twitter

A empresa apresentou significativa melhora na comunicação interna a partir da inclusão da metodologia. Se aplica o modelo no ideal de uniformização do conhecimento e entendimento das métricas de objetivo.



7- MecTRIA




Sim, a MecTRIA também utiliza das OKRs. Durante todo o Planejamento Estratégico, o departamento da Vice-Presidência, juntamente aos setores, estudam suas metas e objetivos do ano, listando e se baseando, dentre outros modelos, nas OKRs.



Essa foi uma breve introdução aos conceitos, fundamentos e origem do sistema de OKRs. Esse é um assunto amplo e que o aprofundamento é sempre positivo. Manter-se ciente das possibilidades e características dessa e de outras ferramentas de gestão e planejamento é um ótimo investimento para qualquer empresa, independente do porte ou função.



Ficou interessado no assunto? Gostaria de aplicar em seu negócio? Então venha conhecer o nosso serviço de

Gestão e Planejamento!



0 comentário
Posts Recentes